Meses após polêmica ambiental, Jardim Botânico de SP quer receber o festival Meca

Em fevereiro deste ano, o Jardim Botânico de São Paulo foi alvo de críticas, abaixo-assinado e até ação no Ministério Público por anunciar um evento musical de grande porte em suas dependências. Poucos meses depois e sem alarde, o Festival Meca divulgou nas redes sociais que fará um festival no local, no dia 30 de setembro.

Privatizado desde 2021 e determinado a ocupar sua área de 143 hectares, o Jardim Botânico, administrado pela empresa Reserva Paulista, parece ter ignorado todos os argumentos apresentados na ocasião passada, quando iria sediar um festival global chamado Piknic Électronik.

A unidade de conservação de proteção integral é o habitat natural de inúmeros animais na floresta nativa e a nascente do riacho Ipiranga, o mesmo fluindo no Parque da Independência. O espaço verde tem como principal função a conservação de espécies da flora e da fauna, além de promover estudos científicos. 

No Parque Estadual Fontes do Ipiranga, que engloba o Jardim Botânico, podem ser encontradas garças, socós, frango d’água, irere, carão, biguá, maguarí, marreco-ananai, gaviões, carcarás, falcão-de-coleira, preguiças, bugios, gambás, tatu-galinha, ouriço-cacheiro, teiús, cobras e lagartos além de espécies ameaçadas de extinção, como gavião-pega-macaco, jacú e pavó. Além disso, a área fica anexa ao Zoológico e ao Zoo Safári, com outros vários animais selvagens, constantemente estressados por poluição sonora, visual e demais impactos da alta circulação de pessoas.

A ação de abrigar um festival vai contra as regras do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) e do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), válidas para Parques Nacionais, Estaduais e Municipais não considerados urbanos. Segundo a Resolução nº 339/2003, parques nacionais não podem sediar eventos do tipo, com som alto e muita movimentação de pessoas ao longo de 12 horas.

A concessão do Jardim Botânico, do Zoo Safari e do Zoológico de São Paulo à Reserva Paulista é de 30 anos, com investimentos de R$ 70 milhões.

https://www.instagram.com/p/CwYkjv6L0c7/?img_index=1

Histórico

Na época do impasse envolvendo o outro festival, os alunos do Programa de Pós-graduação em Biodiversidade Ambiental e Meio Ambiente do Instituto de Pesquisas Ambientais (IPA) levantaram alguns dados, mencionando que a gestão realizada no Jardim Botânico era “de caráter questionável”, apontando o assoreamento no Lago das Ninfeias em 2022, pela falta de manutenção.

Após divulgação no IpirangaFeelings, foi criada uma petição on-line para colher ao menos 7.500 assinaturas, a fim de evitar que o evento acontecesse. Foram mais de 20.000 assinaturas. Forças políticas como  deputado Carlos Giannazi (PSOL) e a deputada Marina Helou (Rede) aderiram à iniciativa.

Tempo depois, o Piknic cancelou a edição no Botânico e migrou para o Parque Ibirapuera.

O que diz o Festival Meca

O Meca Festival é um dos eventos musicais e culturais mais conhecidos entre Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Desde 2016 também realiza edições no Instituto Inhotim, museu aberto de arte contemporânea e jardim botânico, localizado em Brumadinho (MG). A área de 133 hectares foi degradada pela mineração e recuperada com projeto paisagístico a partir de 1980, com a aquisição e desocupação do terreno.

Apesar dos méritos e de se pautar em ações sustentáveis, o espaço reconhecido internacionalmente tornou extinta a Comunidade do Inhotim e vilarejos de quilombolas, ambos invisibilizados pelo empreendimento, quase isento de críticas na mídia.

Desde então, a enorme propriedade de Bernardo de Paz Mello engloba uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN), com biomas da Mata Atlântica e do Cerrado. Tal título a exime das mesmas regras aplicadas à Parques Nacionais ou Municipais.

A situação do local é, portanto, diferente da reserva do Jardim Botânico de SP e suas diretrizes, a começar pela área em questão ser um bem público, embora a administração privatizada.

Nos comentários da postagem, um usuário criticou a ação, relembrando do episódio anterior. A equipe do Meca foi conivente à Reserva Paulista, justificando que “desde o começo desenhamos o projeto em conjunto com o Jardim Botânico. (…) Pra essa edição com Jardim Botânico, não só fomos estudar e entender detalhes, como ficamos impressionados com a aula que a equipe técnica nos deu sobre desde como funciona o preparo e o cuidado pra receber eventos e como todas as atividades são construídas em parceria com as equipes de botânica e de zoologia para preservar e respeitar as características do espaço.”

Com grandes patrocinadores e apoiadores, a organização usa como base de argumentação o objetivo de “promover a reconexão com a natureza, consolidar uma cultura de conservação e influenciar novos comportamentos e valores”, bem semelhante à proposta do evento anterior.

O que diz a legislação*

A Resolução CONAMA nº 339/2003 em seu Artigo 1º trata que os jardins botânicos são áreas protegidas. Já a Lei nº 9.985/2000, Artigo 11º trata que “O Parque Nacional tem como objetivo básico a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico.” 

Considerando que o Jardim Botânico de São Paulo faz parte do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, classificado na categoria “Parque Nacional”, conforme preconiza o inciso 4º da lei relatada anteriormente, logo eventos musicais desse nível são totalmente contraditórios nessa área.

O Artigo 54 da Lei nº 9.605/1998 ainda esclarece que “causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora” sendo um crime ambiental.

A fauna silvestre existente no Jardim Botânico é composta por aves de diversas espécies, incluindo a Araponga (Procnias nudicollis), espécie na categoria “Quase Ameaçada” segundo a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas (IUCN, 2022), também há teiús, bugios, tatus-galinha, preguiças, saguis, saruês, serpentes em áreas de mata, além de diversidade de anfíbios.

Bugio-ruivo é uma das principais espécies mantidas no local

A poluição sonora causada por um evento com muitas horas de duração e aumento na quantidade de pessoas no Jardim Botânico pode ser extremamente prejudicial para a fauna, além do risco maior de acidentes.

Danos as plantas também devem ser considerados, visto que o Jardim Botânico é classificado na categoria A, segundo a Comissão Nacional de Jardins Botânicos (CNJB), sendo um local de conservação, preservação e contemplação, abriga espécies nativas da flora em acervo vivo, incluindo espécies ameaçadas como o Cedro-rosa (Cedrella fissilis) ou o palmito-jussara (Euterpe edulis). Embora o evento ainda não tenha acontecido, deve ser considerado sua irregularidade para um local de extrema importância ambiental para o município, o Estado de São Paulo e o Brasil. 

O Consórcio Reserva Paulista é atual gestor do Jardim Botânico, Zoológico de São Paulo e Zoo Safari, áreas classificadas como de uso público integrantes do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI) e onde também está localizado o Instituto de Pesquisas Ambientais (IPA) – Unidade Jardim Botânico, o antigo Instituto de Botânica (IBt), importante local de pesquisas científicas promovidas por pesquisadores especialistas em diversas áreas da botânica, alunos de Pós-graduação e associados.

Vencedora da concessão autorizada através da Lei nº 17.107, de 04 de Junho de 2019 e contrato assinado em 09 de Setembro de 2021, a Reserva Paulista tem dentre suas obrigações contratuais, a manutenção, conservação e preservação do patrimônio material e genético contido em todo o território fruto da concessão.

*Texto sobre a legislação extraído da primeira petição de defesa, elaborado por alguns ex-membros do Programa de Pós-graduação em Biodiversidade Ambiental e Meio Ambiente do Instituto de Pesquisas Ambientais (IPA)

Foto: Governo do Estado de SP

Written by

Ipiranga Feelings

3 thoughts on “Meses após polêmica ambiental, Jardim Botânico de SP quer receber o festival Meca

  1. VERDADEIRO ABSURDO FAZER FESTIVAL DE MUSICA NO JARDIM B0TÂNICO. É UM EVENTO CAÇA-NÍQUEL, DE PESSOAL SEM NOÇÃO! FALAM QUE VÃO CUIDAR, PRESERVAR…… NEM SABEM O QUE TEM LÁ. HOJE DIA 26/09, QUATRO DIAS ANTES DO EVENTO, ESTIVE LÁ E SÓ COM A MOVIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO DO EVENTO JÁ PUDE PERCEBER VÁRIOS ANIMAIS ASSUSTADOS, ESTRESSADOS COM O BARULHO E AGITAÇÃO.
    NA REALIDADE ESTÃO COMETENDO UM CRIME AMBIENTAL.

  2. Esse evento realmente é um absurdo! Além da destruição de espécies raras presentes no local, a poluição sonora, vai ser uma agressão terrível aos animais. Há tantos lugares adequados, para esse tipo de evento em São Paulo, não existe explicação, para a realização em uma área de preservação ambiental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Petiscos do Comida di Buteco no Ipiranga Ator da Globo abre gastrobar no Ipiranga MST abre sacolão popular na Mooca CPI da Enel quer relatos da população
Petiscos do Comida di Buteco no Ipiranga Ator da Globo abre gastrobar no Ipiranga MST abre sacolão popular na Mooca CPI da Enel quer relatos da população