Cárcere feminino é tema de peça da cia de teatro heliópolis

Completando 20 anos, a Cia de Teatro Heliópolis, fundada na comunidade do Ipiranga, lança um novo espetáculo que retrata o cárcere feminino, só que fora das grades da penitenciária. A “punição”, no caso, é de quem fica do outro lado enquanto um membro da família cumpre pena.

O roteiro original de “Cárcare ou Porque as Mulheres Viram Búfalos“, assinado por Dione Carlos e dirigido por Miguel Rocha, revela uma abordagem interessante acerca do tema, em um país com um sistema penitenciário caótico e ineficiente, partindo dos desdobramentos que acontecem do lado de fora, supostamente livre.

Em cartaz até o mês de junho, o espetáculo acontece às sextas, sábados e domingos, na sede da companhia, a Casa de Teatro Maria José de Carvalho, no bairro Ipiranga. A apresentação é gratuita, mas aceita contribuições espontâneas no estilo “pague o quanto quiser”. É necessário, porém, reservar ingressos na plataforma Sympla.

Na trama, as irmãs Maria Dos Prazeres e Maria Das Dores têm a vida marcada pelo encarceramento dos homens da família: primeiro, o pai; depois, o companheiro de uma; agora o filho da outra.

Dentro do presídio, o jovem Gabriel – que sonha em ser desenhista – aprende as estratégias de sobrevivência para lidar com as disputas internas de poder e a falta de perspectivas inerente ao sistema carcerário.

Naquele microcosmo, a violência dita as regras e não poupa os considerados fracos ou rebeldes. Fora dali, em suas comunidades, as mulheres – mães, filhas, afilhadas – buscam alternativas para, ao menos, tentar romper os ciclos de opressão que as aprisionam em existências sem futuro.

Outros horizontes são possíveis? Os saberes ancestrais resistiram à barbárie e atravessaram os séculos nos corpos, nas vozes e nas crenças das e dos africanos que, escravizados, fizeram a travessia do Atlântico.

Iansã, Rainha Oyá, deusa guerreira dos ventos, das tempestades e do fogo, não abandonou seu povo. Ela permanece iluminando caminhos e inspirando fabulações para que seus filhos e filhas experimentem, por fim, a liberdade.

Ficha técnica 

Encenação: Miguel Rocha. Assistência de direção: Davi Guimarães. Texto: Dione Carlos. Elenco: Antônio Valdevino, Dalma Régia, Danyel Freitas, Davi Guimarães, Isabelle Rocha, Jefferson Matias, Jucimara Canteiro, Priscila Modesto e Walmir Bess. Direção musical: Renato Navarro. Assistência de direção musical: César Martini. Musicistas: Alisson Amador (percussão), Amanda Abá (violoncelo), Denise Oliveira (violino) e Jennifer Cardoso (viola). Cenografia: Eliseu Weide. Iluminação: Miguel Rocha e Toninho Rodrigues. Figurino: Samara Costa. Assistência de figurino: Clara Njambela. Costureira: Yaisa Bispo. Operação de som: Jéssica Melo. Operação de luz: Viviane Santos. Cenotecnia: Leandro Henrique. Provocação vocal, arranjos e composição da música do ‘manifesto das mulheres’: Bel Borges. Provocação vocal, orientação em atuação-musicalidade e arranjos – percussão ‘chamado de Iansã’ e poema ‘Quero ser tambor’: Luciano Mendes de Jesus. Estudo da prática corporal e direção de movimento: Érika Moura. Provocação teórico-cênica: Maria Fernanda Vomero. Provocações: Bernadeth Alves. Comentadores: Bruno Paes Manso e Salloma Salomão. Provocação de performatividade: Carminda Mendes André. Mesas de debates: Juliana Borges, Preta Ferreira, Roberto da Silva e Salloma Salomão. Orientação de dança afro: Janete Santiago. Designer gráfica: Camila Teixeira. Fotos: Weslei Barba. Assessoria de imprensa: Eliane Verbena. Direção de produção: Dalma Régia. Produção executiva: Davi Guimarães, Miguel Rocha e Leidi Araújo. Idealização e produção: Companhia de Teatro Heliópolis.

Fotos: divulgação

Casa de Teatro Maria José de Carvalho – Sede Cia de Teatro Heliópolis

Rua Silva Bueno, 1533 – Ipiranga

Pague o quanto puder: a contribuição do ingresso é espontânea

Em cartaz de 12 de março a 5 de junho de 2022

Sextas e sábados, às 20h; domingos, às 19h.

Classificação indicativa: 14 anos

Confira todos os dias e horários aqui. Espaço sujeito a lotação -> faça a sua reserva. Algumas datas já estão esgotadas.

Deixe um comentário