Surto de sarampo impulsiona campanha de vacinação em São Paulo

Com um surto de sarampo em andamento no país, a campanha de vacinação em São Paulo foi prorrogada por período indeterminado. A Secretaria Municipal de Saúde convoca os munícipes a atualizarem seus cartões de vacina, aumentando a cobertura de proteção contra doenças contra a Covid-19, poliomielite, caxumba, hepatites A e B, entre outras, com doses aplicadas nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), AMAs/UBSs Integradas e megapostos da capital.

Os índices de vacinação estão abaixo do ideal. A imunização contra a Covid-19 está disponível para crianças a partir de 3 anos de idade, adolescentes e adultos. Para primeira dose adicional (DA1), estão elegíveis pessoas acima de 12 anos que tomaram a última dose do esquema vacinal há pelo menos quatro meses.

Já a segunda dose adicional (DA2) da vacina está disponível para toda a população acima de 18 anos de idade que recebeu a DA1 há pelo menos quatro meses. Está disponível, ainda, a terceira dose adicional (DA3) para pessoas com alto grau de imunossupressão com mais de 18 anos.

Multivacinação infantil

UBSs e AMAs/UBSs Integradas realizam também a vacinação voltada ao público infantil, com a disponibilização de imunizantes como: tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), BCG, pentavalente, vacina inativada poliomielite (VIP), vacina oral poliomielite (VOP), pneumo 10, rotavírus, meningo C, meningo ACWY, varicela, hepatites A e B, febre amarela, DTP (difteria, tétano e coqueluche), dupla adulto, HPV e pneumo 23.

Imunização contra gripe, sarampo e poliomielite

A vacina contra o vírus influenza, causador da gripe, está disponível para toda a população da capital com idade acima de seis meses.

Para a vacina contra o sarampo, estão elegíveis crianças acima de seis meses e menores de cinco anos, profissionais de saúde e nascidos a partir de 1960.

Até o momento, temos 79,20% de crianças vacinadas. Mas a meta do Programa Nacional de Imunizações (PNI) é de 95%.

A campanha de vacinação contra a poliomielite foi prorrogada por tempo indeterminado para crianças a partir de um ano até 4 anos e 11 meses de idade. A campanha tem como objetivo imunizar, com a vacina oral contra a poliomielite (VOP), as crianças que estejam com o esquema prioritário completo com a vacina inativada contra a poliomielite (VIP).

Na cidade de São Paulo, a vacinação acontece de segunda a sábado nas unidades de saúde da rede municipal. Acompanhe acessando o Vacina Sampa.

Perguntas & Respostas

O que é a poliomielite?
A poliomielite, também chamada de pólio ou paralisia infantil, é uma doença contagiosa aguda causada por um enterovírus (gênero de vírus que tem como principal meio de replicação o trato gastrointestinal) chamado poliovírus. As sequelas da poliomielite, relacionadas com a infecção da medula e do cérebro pelo poliovírus, normalmente são motoras e não têm cura. A doença pode afetar tanto crianças quanto adultos e levar à paralisia total ou parcial dos membros inferiores.

Como se previne a doença?
A vacina contra a poliomielite, lançada em 1953, é a única forma de prevenção da doença. Todas as crianças menores de cinco anos de idade devem ser vacinadas conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual. O esquema vacinal contra a poliomielite é de três doses da vacina injetável – VIP (aos 2, 4 e 6 meses) e mais duas doses de reforço com a vacina oral bivalente – VOP (gotinha, aos 15 meses e aos 4 anos).

Por que existe o risco de volta da doença no mundo?
Porque os índices de vacinação caíram globalmente, especialmente nos últimos dez anos, sendo que 95% de cobertura é considerada a meta para proteção contra a doença; entre os países que registraram casos recentemente, estão o Malawi, Israel e Estados Unidos.

No Brasil, que já chegou a registrar índices próximos a 100% de cobertura vacinal, houve uma queda acentuada: em 2021, a vacinação contra pólio, consideradas as três primeiras doses da vacina, ficou em 67,71%, contra 96,55% em 2012. O Brasil recebeu o selo de eliminação da poliomielite em 1994, comprometendo-se a manter as campanhas nacionais de vacinação para garantir que novos casos não apareçam.

Como estão os índices de vacinação contra a doença na cidade de São Paulo?
Em maio deste ano a cobertura vacinal contra a pólio atingiu 80,65% no município, contra 77,99% em 2021. A meta do Ministério da Saúde é 95%.

O que os pais devem fazer para vacinar seus filhos com qualquer imunizante do calendário infantil?
Basta levar a criança à UBS mais próxima, juntamente com a sua caderneta de vacinação, para que a equipe possa conferir eventuais falhas no esquema vacinal e aplicar as doses faltantes.

Adultos também podem tomar a vacina contra poliomielite na rotina das UBSs?
Os públicos elegíveis para a vacina são: crianças menores de cinco anos, sem histórico vacinal ou com esquema vacinal incompleto, além de adolescentes de até 19 anos nas mesmas condições. Viajantes, imigrantes e refugiados de países endêmicos ou em surto, de qualquer idade, sem registro de aplicação, também podem se vacinar.

Encontre a unidade de saúde mais próxima da sua casa clicando aqui

*Textos: reprodução do site oficial da Prefeitura, com ajustes da equipe do IpirangaFeelings

Written by

Ipiranga Feelings

One thought on “Surto de sarampo impulsiona campanha de vacinação em São Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CPI da Enel quer relatos da população Caravana de Natal da Coca-Cola começa em SCS Conheça o Coworking público do Ipiranga Virada Esportiva no Ipiranga acontece dias 28 e 29 de outubro
CPI da Enel quer relatos da população Caravana de Natal da Coca-Cola começa em SCS Conheça o Coworking público do Ipiranga Virada Esportiva no Ipiranga acontece dias 28 e 29 de outubro