Ipiranga será nova sede da Catedral Budista Nikkyoji

Um terreno baldio do Ipiranga será a nova sede do Catedral Budista Nikkyoji, uma das vertentes da religião oriental. Atualmente, o único templo da ramificação em São Paulo fica na região da Chácara Klabin, o que gerou impasse entre parte dos frequentadores assim que souberam da mudança.

O terreno arborizado na tranquila Rua Ibaragui Nissui, 166 chama a atenção pela construção tipicamente oriental, com telhado erguido manualmente por marceneiros vindos do Japão. As árvores e flores do jardim japonês foram plantadas e cuidadas por membros da religião. O envolvimento da comunidade, que ali se reconhece e se reúne, sempre foi grande.

Em meio ao mantra sagrado “namumyouhourenguekyou” e ao cheiro de incenso típico das cerimônias meditativas, veio também um imbróglio: o grupo Honmon Butsuryu Shu (HBS), ramificação da religião que no Brasil ganhou o nome de Budismo Primordial, teria vendido o terreno à construtora Tegra, que irá demolir a catedral e provavelmente utilizará o mesmo para a construção de edifícios no disputado bairro.

Porém, tal espaço foi adquirido com a ajuda de doação dos fiéis e cerca de 80.000.000 ienes repassados pela sede mundial, o que justifica o vínculo emocional, afetivo e financeiro com o edifício. O templo também conta com um ossário, onde estão os restos mortais de membros de famílias frequentadoras.

Com 11 templos e cinco núcleos, o Brasil é o maior país em número de adeptos fora do Japão.

O projeto de mudança vem sendo discutido desde 2019. Segundo Konishi Nitien, Secretário Geral da HBS Mundial, a construção apresenta sérias deficiências, o que resultou em muitos pedidos de doação e muitas reformas ao longo dos anos. A reclamação de barulho por parte dos vizinhos também foi colocada como incentivo. No plano de expansão, o intuito é atrair mais pessoas para as atividades religiosas, sem os percalços com danos estruturais ou adaptações de acessibilidade e acústica, que já se fazem necessárias.

No mesmo ano do anúncio, cerca de 20 dos 1.700 fiéis da unidade entraram na justiça se opondo à venda do terreno, conseguindo uma liminar que a suspendesse até julgamento. Segundo uma matéria da Folhapress, também foi solicitado o tombamento do imóvel à Conpresp.

O monge Ibiragui Nissui chegou ao Brasil em 1908 para espalhar os ensinamentos da vertente. Em 1962 surgiu o primeiro templo Nikkyoji, que estava localizado na rua Percilio Neto, na Cursino. Mas no início da década de 80 se mudou para onde se encontra atualmente. A princípio, a nova catedral seria fruto de uma permuta com a construtora, que cedeu um terreno na Av. do Estado. O local, porém, não agradou.

Tanto a Vila Mariana quanto o Ipiranga possuem afinidade com a comunidade oriental. O bairro do grito já teve igrejas e escolas católicas sob comando de chineses e japoneses no passado, atraindo famílias que ficaram por gerações.

Já com placa e sinalização no Google, a Catedral Budista Nikkyoji usará um terreno abandonado pela construtora e incorporadora PDG, na altura do número 453 da rua Xavier de Almeida. Os apartamentos haviam sido anunciados em meados de 2014, mas a empreitada nunca foi para frente e em 2017 não havia mais nem anúncio do projeto.

Parte do grupo visita o novo terreno no Ipiranga – Foto: divulgação

O dia 17 de julho de 2021 marcou o início de uma nova era para os budistas, que foram até o terreno para agradecer e celebrar a conquista. A data não foi escolhida ao acaso, visto que marca o aniversário de morte do Grande Mestre Nissen Shounin, mestre japonês que fundou o Budismo Primordial HBS.

Em virtude da pandemia, apenas a diretoria, os coordenadores do grupo e poucos fiéis envolvidos no Comitê do projeto participaram da ação. Ainda não há previsão de início das obras ou de abertura da nova sede. Por enquanto, quem quiser visitar a Catedral Budista Nikkyoji poderá ir às missas, na Rua Ibaragui Nissui, 166, nos seguintes horários: seg. a sex, às 6h; sáb. às 7h; dom. e feriados às 8h. Ou todos os dias, às 19h.

https://youtu.be/UFNBe0ELh5c

Fotos por IpirangaFeelings/reprodução proibida

Deixe um comentário